instagram satc twitter satc facebook satc linkedin da satc canal do youtube satc
Search
Generic filters
Exact matches only
Filter by Custom Post Type
Emprego

Pensando em mudar de carreira? Veja orientações para tomar a decisão

Insatisfação com local e colegas de trabalho estão entre os principais motivos para o desejo de mudança

FacebookTwitterLinkedInWhatsAppCopy LinkFacebook MessengerEmail
05/11/2019 08:00 Stefanie Machado
Jornalismo Satc, Notícias de Criciúma e Região

Seja por não se encontrar na profissão ou falta de oportunidades, mudar de carreira não é uma decisão fácil. A insatisfação no trabalho é comum, mas a mudança de emprego requer reflexão e autoconhecimento. De acordo com uma pesquisa do site Catho, das 5 mil pessoas entrevistas, 78% afirmaram estar em busca de um novo emprego em 2019. 

Para a psicóloga Denise Nuernberg, o local e colegas podem influenciar em como as pessoas se sentem em relação ao próprio trabalho. “Isso pode estar tirando a vontade de estar lá, então é bom pensar nisso. Outro ponto é o autoconhecimento, olhar para dentro e ver qual caminho quer seguir, conhecer suas qualidades e competências”, explica.

Ainda segundo a especialista, é possível mudar de área dentro da mesma profissão. “Hoje você se forma em uma carreira, mas pode realizar várias atividades, podendo atuar como gestor até empreendedor. As vezes fazendo pós-graduação você já consegue mudar de área”, comenta. Além disso, é preciso considerar as necessidades a longo prazo.

A experiência de quem já passou pela mudança

Formada em Serviço Social há um ano, Mairini Dias teve que deixar a profissão pela carência de vagas e exigências na área. Aos 27 anos, ela trabalha como Freelancer em uma hamburgueria. “Como todos nós precisamos de dinheiro a gente se vira como pode. Recebi uma oportunidade pra trabalhar na área da beleza, que por sinal eu também gosto muito. Fiquei até pouco tempo atrás, mas devido a situações pessoais tive que sair”, conta.

Mairini chegou a fazer estágio em centros de saúde, mas depois que se formou não conseguiu emprego fixo na área. A assistente social ainda pensa em voltar a atuar na profissão. “Eu escolhi realmente algo que eu amo e que tenho muito prazer em fazer. A área social é muito importante pra sociedade. É através dela que levamos o conhecimento dos nossos direitos enquanto cidadão”, ressalta.

A engenheira agrônoma Francine Da Boit viveu uma situação parecida com a de Marini. Logo depois de formada teve dificuldade de achar emprego na área, mas no meio do caminho descobriu outra paixão. “Na época eu já maquiava como um hobby, porém as amigas foram se interessando e as amigas das amigas também vieram maquiar comigo. Como era algo que eu gostava de fazer, a procura ia aumentando cada vez mais, vi uma oportunidade e fui me especializando nessa área”, lembra.

Do trabalho de maquiadora surgiu outra oportunidade. Por meio da divulgação das produções que fazia nas redes sociais, acabou chamando a atenção pela forma como administrava o perfil. “Recebi uma proposta para gerenciar as redes de uma pessoa que gostou de como eu cuidava das minhas. Topei o desafio e confesso que gosto muito, a possibilidade de você gerenciar seu tempo e não ter horários engessados me agrada demais”, salienta. Hoje Francine se especializou nas duas áreas e ama o que faz. Atualmente, ela voltou a atuar como engenheira agrônoma, mas não deixou nenhum dos empregos.

Manchas de óleo podem chegar ao litoral catarinense

Fim de ano traz oportunidades de vagas temporárias

Cantor criciumense fará show para lançar seu DVD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comente: