instagram satc twitter satc facebook satc linkedin da satc canal do youtube satc
Search
Generic filters
Exact matches only
Filter by Custom Post Type
SEGURANÇA

Festas clandestinas devem ser denunciadas na Polícia Militar ou Vigilância Sanitária

FacebookTwitterLinkedInWhatsAppCopy LinkFacebook MessengerEmail
17/10/2020 10:32 Jatene Macedo
Destaques Crici. Reg., Jornalismo Satc, Notícias de Criciúma e Região

Com a chegada do novo coronavírus ficou proibida a realização de festas, eventos e celebrações em todo o estado. Após assinado o primeiro decreto pelo Governo estadual, celebrações que apresentem aglomerações são proibidas, mas durante esse período já foram registradas inúmeras festas clandestinas, além de casas de show, barzinhos e outros estabelecimentos que excederam a capacidade de público imposta.

Praias e locais públicos também já registraram aglomerações. “No começo da pandemia recebemos um número alto de reclamações por conta de aglomeração, mas agora houve uma queda”, disse o comandante da Polícia Militar de Siderópolis, Everaldo Martins.

Algumas atividades já foram liberadas pelo estado, veja aqui, mas qualquer evento, encontro ou festa que apresentar aglomeração, ainda está proibido. “A Polícia pode emitir uma notificação ou se a festa caracterizar perturbação de sossego, emitimos um termo circunstanciado por barulho e podemos recolher o aparelho que está causando o som. A perturbação de sossego acontece em qualquer horário, e não apenas após às 22 horas”, explica o comandante.

Para denunciar você pode acionar a Vigilância Sanitária, em horário comercial, em Siderópolis o número para contato é o 3435-8950 e em Criciúma 3437-6191, mas se a festa clandestina ocorrer fora do horário comercial ou no final de semana o indicado é ligar para a Polícia Militar por meio do telefone 190.

 

Print Friendly, PDF & Email

Calor, chuva e manhãs amenas na última semana de outubro

Brasileira conta como está a pandemia na Irlanda após retorno do lockdown

Equipe Multi-institucional entrega doações para entidades assistenciais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comente: